As pessoas heterossexuais estão “roubando” RuPaul’s Drag Race?

Modo Noturno
Está tudo bem no fato de os espectadores heterossexuais assistirem e usarem a linguagem do programa? As superestrelas Courtney Act e Bianca Del Rio discutem o assunto.

Uma chuva meteórica: a ascensão de RuPaul’s Drag Race não foi nada menos do que isso. Não sabemos sobre números exatos de visualizações (Netflix mantém todos os seus dados de audiência sob chave e fechadura), mas sabemos que as buscas no Google por RuPaul’s Drag Race aumentaram 96% desde que a primeira temporada foi transmitida (e logo cancelada) na E4 em 2009. Além disso, em média, nos últimos 12 meses, as pessoas pesquisaram mais sobre RuPaul do que sobre Jeremy Clarkson e Emma Watson juntos.

Em outras palavras, se você não ficou convencido com as tags #DragRace ou #JusticeForSHANGELA enchendo o seu feed do Twitter, então tenha certeza: o programa se tornou um grande negócio.

Mas aqui está a coisa: tornou-se um grande negócio para todos. Embora Drag Race tenha começado como um show underground em um nicho norte-americano de canal LGBTQ, um público não-gay em massa agora sintoniza toda semana. Drag Race tornou-se mainstream.

Além disso, abraçou o mainstream com juízes convidados como Ariana Grande, Graham Norton, Sharon Osbourne, Christina Aguilera e Khloé Kardashian, e o próprio RuPaul foi recentemente homenageado com uma estrela no Hollywood Walk of Fame.

O que começou como uma competição peculiar, “carisma, singularidade, coragem e talento”, tornou-se um gigante da cultura pop para todos.

No entanto, a partir disso, surge um debate. Um crescente público heterossexual de Drag Race é outro sinal positivo da aceitação LGBTQ em nossa sociedade? Ou é algo mais prejudicial?

Será que, em vez de celebrar a tolerância, esses novos espectadores estão realmente diluindo e “roubando” uma parte importante da cultura da comunidade gay? E, se você decidir que isso é verdade em parte, a resposta é realmente impedir as pessoas heterossexuais de assistirem à Drag Race?

Em particular, Brian Moylan, escritor de Vulture and Guardian, lamenta “o momento em que os heteros descobriram nosso show” e argumenta que Drag Race se tornou apenas uma tendência “como brinde de abacate ou chá verde”.

“Eu diria que a visibilidade – o que alguns podem chamar de apropriação – não tem sido boa para Drag Race, e não tem sido boa para a escrita televisiva queer“, disserta ele.

A reação contra os “heteros” pode parecer controversa, mas não é despropositada, e a preocupação com os heterossexuais se apropriando dos espaços queer não é infundada.

Tome como exemplo a controvérsia sobre a tendência de pessoas heterossexuais que escolhem bares gays como seu destino de balada. É um fenômeno condenado por muitos, incluindo o próprio RuPaul.

>  S11 | Silky Ganache, por que matastes seu fandom?

“As pessoas que vivem no mainstream e no status quo pensam que todo mundo está lá para atendê-las”, disse Ru ao abordar o tópico no podcast Dinner Party. “Só porque sua visão é limitada não significa que todos estão lá para atendê-lo e que você é a única pessoa no mundo, não funciona assim.”

E lembram-se da Miz Cracker? Ela articuladamente alertou sobre a “invasão heterossexual dos bares gays” em um artigo há alguns anos, ressaltando que o aborrecimento não se originou da “heterofobia”, mas de uma “enorme lacuna de compreensão e sensibilidade entre a heterossexualidade e o mundo LGBTQ”.

Mas Drag Race não é um bar gay. É um programa de TV. As festas de despedida de solteiro podem ocupar um espaço físico em um clube, mas um programa de TV não tem tais restrições. Se você se sentasse agora mesmo para ver Drag Race, o aparelho de TV de outro espectador não se desligaria de repente.

Existem, no entanto, alguns problemas com o argumento de Ru aqui. Bem, dois principais: os termos “cultura pop hetero” e “cultura gay” não são frases que se encaixam particularmente bem com algumas pessoas. Especificamente, pessoas como o Dr. Justin Bengry, professor da Goldsmiths, Universidade de Londres e coordenador do primeiro curso de mestrado em história queer.

Bengry argumenta que os termos simplificam demais, implicando que cada pessoa deve assinar um ou outro. “Certamente, podemos nos identificar com algumas formas culturais e alguns lugares e práticas como parte de uma ‘cultura gay’, mas temos que pensar sobre quem é essa cultura”, explica ele. “Estamos assumindo que isso inclui todos que se identificam como gay ou LGBTQ. Obviamente não inclui. O termo ‘cultura gay’ assume uma homogeneidade – a de que existe uma cultura gay e uma pessoa gay.”

“Existem obviamente conexões e redes entre pessoas baseadas em entendimentos e histórias compartilhadas ou traumas. Todas essas coisas podem fazer parte de uma cultura. Mas são fatores profundamente complicados e é difícil amarrá-los em uma pequena caixa e se curvar”.

E isso leva ao próximo problema: imagine que você já foi encarregado de identificar e descrever uma “cultura gay” independente – você pode realmente separá-la do “mainstream”?

“Falamos sobre o mainstream como se fosse essa categoria óbvia que não precisa de explicação. Isso também é problemático ”, diz Bengry. “As pessoas LGBT certamente também podem se encaixar entre os principais consumidores – eles vão comprar móveis, papel higiênico e anti-histamínicos no mesmo tipo de mercado que os consumidores tradicionais. Em muitos de seus hábitos de compra, os gays são apenas pessoas também. ”

Esse é apenas o sentimento ecoado por algumas estrelas de Drag Race, como a ganhadora da sexta temporada, Bianca Del Rio. Embora ela não se expresse exatamente na mesma língua:

>  Asia O'Hara: o lado humano da competição

“Toda essa coisa quando as pessoas falam sobre ‘comunidade gay’ e ‘cultura gay’, é ridículo!”, Diz ela. “Não existe uma comunidade gay. Eu não tenho reuniões da comunidade com outros gays! Eu nunca conheci o conselho executivo de gays! Eu pago impostos! Sou uma pessoa!”

“Não há um portal em volta de todos os gays de uma comunidade. Isso é tão bobo! O que é ‘cultura gay’? O que é exclusivo?! O mundo não está tão cheio assim de gays e muitos gays nem gostam de Drag Race!”

“Quando você coloca as caixas em branco, é como dizer: ‘Bem, isso é só para meninos’ e ‘Isso é só para meninas’ ou ‘Isso é só para pessoas heterossexuais’. E você não pode alienar pessoas heterossexuais – pessoas heterossexuais criam gays! De que outra forma teremos namorados quando tivermos 40 anos se não tivermos pessoas heterossexuais fazendo bebês? ” Ela ri.

Embora os gays compartilhem experiências semelhantes – muitas vezes, como nos lembra Drag Race, horrivelmente discriminatórias – e se unem na luta pelos direitos LGBTQ, os gays automaticamente pertencem a uma “comunidade gay” ou “cultura gay”? Muitos diriam que não, da mesma forma que toda pessoa heterossexual não pertence a uma “cultura hetero” claramente definida.

Então, pode ser melhor celebrar uma miríade de culturas gays em vez de tratar a “cultura gay” como uma unidade. Por mais óbvio que pareça, nem todo gay tem que assistir ou gostar de Drag Race porque, como Bengry aponta, tratar a cultura gay como uma entidade singular leva a estereótipos desconfortáveis.

“Eu acho que a preocupação que tenho às vezes sobre esse medo da apropriação da cultura gay é que isso reforça a ideia de que há uma grande cultura gay”, diz Bengry. “Cria uma versão singular do que ‘gay’ é. E isso pode ser bastante limitante ao não reconhecer a diversidade ou simplificar demais o que pode ser parte dessa cultura. Isso poderia marginalizar e excluir aqueles que não se encaixam nesse modelo”.

E sobre a “linguagem gay”? Embora as fronteiras entre as culturas gays e o mainstream sejam obscuras, há pessoas que afirmam que, se você é heterossexual, é errado usar gírias faladas em Drag Race.

Como Jones argumenta, as pessoas heterossexuais não foram atrás de Drag Race e usaram sua linguagem. O show veio até elas.

“Para mim, o principal é que isso se tornou mainstream porque tem sido impulsionado por pessoas como RuPaul, que comercializou essa cultura gay e a tornou popular”, diz Jones. “É o resultado dessa jornada. É diferente de alguém entrar em uma comunidade gay e tirar dela. Parte da comunidade gay chegou às salas de estar das pessoas heterossexuais na Netflix.”

>  Gia Gunn | 30 Dias em Transição pt4

Claro, como Jones é rápido em apontar, isso não significa necessariamente que as pessoas heterossexuais têm o direito de usar as gírias de RuPaul. Mas a maior visibilidade de Drag Race tornou essa mudança inevitável.

“Eu concordo que é uma forma de apropriação, pois temos pessoas de uma cultura dominante levando as coisas de um grupo minoritário. Mas a linguagem se movendo de um grupo para outro é uma coisa totalmente natural; não é a primeira vez que isso acontece, e não será o última. Socialmente e culturalmente, vejo por que as pessoas têm um problema com isso, mas linguisticamente é muito comum”.

Então, que tal uma sugestão: vamos nos concentrar em como Drag Race une as pessoas em vez de dividi-las. Em vez de se afogar em águas teóricas obscuras, por que simplesmente não apreciamos o programa como parte de uma onda de aceitação?

Sim, pode haver problemas na maneira como Drag Race apresenta a cultura gay como uma entidade. E com certeza, há o perigo de algumas pessoas heterossexuais associarem, por engano, cultura drag a todos os gays. Mas o programa está abrindo uma discussão sobre diversidade.

É o que Courtney Act pensa, de qualquer forma: “Drag Race estar na TV e ser visto por milhões de pessoas em todo o mundo é uma coisa maravilhosa e essa é a razão pela qual foi colocado na televisão. Drag historicamente abriu tantas portas por causa de sua visibilidade; é uma cena tão colorida e tão grande que as pessoas não conseguem evitar olhar. Por causa da visibilidade, demanda atenção. Isso abre a conversa sobre a cultura queer em geral.”

Então, pessoas heterossexuais podem assistir ao show? Segundo Courtney, Hides e Bianca: absolutamente sim. Porque um mainstream crescente pode causar alguns problemas, mas em última análise, os aspectos positivos superam os negativos.

Como diz Bianca: “Existem guerreiros do teclado e pessoas que têm uma opinião, mas é só drag! Não é tão sério, especialmente na América. Há coisas maiores com as quais se preocupar, como o fato de o nosso presidente ser um completo idiota. Apenas assista ao programa e aproveite, quem quer que seja – hetero, gay, o que for! Drag Race não é o inimigo!”

Esse texto foi traduzido e resumido de um texto da RadioTimes. Original: clique aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here