Kameron Michaels fala sobre feminilidade, fãs sedentos e o tempo afastada da arte drag

Modo Escuro

Durante a 10ª temporada do RuPaul’s Drag Race, Kameron Michaels se autodenomina como a Barbie Musculosa. Michaels trouxe várias vezes na série os desafios que ela enfrentou sendo uma rainha musculosa – a provocação que ela recebeu de outras drags, os problemas em vestir seu corpo e, em uma história sensível, de não encarar as emoções.

Nesta semana a INTO conversou com Kameron e falaram sobre suas origens drag, os fãs sedentos do Instagram e se ela acha que é mais feminina ou masculina.

INTO: Você pode me dizer um pouco sobre o que te levou, primeiramente, a fazer drag?

Kameron: Então, eu comecei a me montar quando tinha 18 anos e estava trabalhando em um clube nos fins de semana como um go-go boy. Eu estava passeando com drag queens e foi super interessante para mim e eu fiquei tipo “Essas são como anjos! Elas são muito bonitas, mas também são incríveis e legais”.

I: Quais foram algumas das modelos no início da sua drag?

K: Oh meu Deus, eu não sei. Eu acho que minha estética sempre foi inspirada em cinema e videogames, qualquer personagem de fantasia. Eu realmente admiro elas, porque muitas pessoas não fazem isso. Eu estava me montando parecido as drag queens ao meu redor, como as garotas de Nashville. Apenas tentando ser como elas, eu acho.

I: Você falou no programa sobre o seu tempo afastada de drag e como isso teve a ver com estar em um relacionamento com um homem que era um grande frequentador de academia. Foi assim que você começou a se exercitar tanto, por causa do seu parceiro?

>  Bianca Del Rio: "Não faça drag. É como ser uma estrela de filme adulto”

K: Na verdade, a pessoa com quem eu comecei a ir à academia não é tipo um frequentador de academia – nós começamos a ir juntos e ele parou de ir, e então nós terminamos e então eu comecei a usar isso para preecher o vácuo de um rompimento. Então eu comecei a ir à academia religiosamente e adotei isso na minha vida. E isso substituiu o relacionamento, e eu meio que acabei de florescer nos exercícios. Eu estava apenas levantando pesos.

I: O que fez você desistir da drag enquanto estava com seu ex na época?

K: Bem, esse relacionamento com o qual eu comecei a ir à academia – que eu falei quando disse que alguém me fez jogar fora tudo relacionado a drag. Não tem nada a ver com a academia; teve a ver com o relacionamento.

I: Você também disse que suas irmãs drag não acharam que seu corpo muscular seria bom para drag. Você pode me dizer sobre como foi ouvir isso pela primeira?

K: Sim, quer dizer, veio de pessoas que eu respeitava e não era muito desagradável, mas eu sabia que elas estavam falando sério. Elas não estavam sendo más, mas estavam dizendo: “Você precisa cobrir seus braços”, “Você precisa usar fantasias com mangas compridas”.

Eu realmente não me importava, mas eram minhas irmãs e eu não conhecia ninguém como eu na época, então pensei “Talvez elas estejam certas. Eu não quero que as pessoas zombem de mim no palco”. Esse é o pior sentimento, ser ridicularizada como um artista. Nunca é uma sensação divertida, e eu pensei que as pessoas tirariam sarro de mim e eu gostaria de parecer um homem.

>  AS4 | Manila Luzon sabia que ela seria eliminada pelas outras rainhas
Chyna, competidora de luta livre que Kameron interpretou no Snatch Game da S10.

I: Antes mesmo de o show ser transmitido, havia muito fã sedento por você ser tão musculoso e bonito, e estou imaginando como seria para você ver toda aquela sede.

K: Quer dizer, eu tive uma ideia assistindo as temporadas anteriores. E enquanto nós estávamos filmando, estando com as garotas com quem eu estava, eu fiquei tipo “Eu acho que essa será a minha estética no show!” Então eu esperei por isso [o desejo do fãs], mas a coisa mais incrível para mim é que eu quero que você preste atenção na minha drag! Eu não quero que você me jogue nessa caixa como o “garoto gostoso“, porque minha drag não tem nada a ver com isso. Meu drag é muito feminino. É muito drag do sul, muito bonito.

I: Estou interessado em namorar como uma drag queen e ter uma aparência tipicamente masculina, mas me identificando como feminina. Você já teve algum problema sobre isso com possíveis pretendentes?

K: Sim, o tempo todo. Eu não posso nem contar na minha mão quantas vezes alguém descobriu e é sempre muito rápido. É um encontro casual e as pessoas descobriram e depois me disseram a razão pela qual eles pararam de falar comigo e é por isso que eles não namoram drag queens. Eu não sei, eu ouvi milhares de vezes e todas as outras drag queen do mundo podem se identificar, porque todas elas sabem do que estou falando.

>  Uma Década de Drag Race | S2 | Tatianna

I: Você falou esta semana no Untucked sobre se sentir desconfortável com as emoções e como isso vem do seu pai. Você acha que o programa fez você mais em contato com suas emoções?

K: Hum, absolutamente. E isso é a coisa mais frustrante agora. Muita gente… Eu aprecio a compaixão e mudei muito desde o programa. As pessoas estão dizendo: “Queremos que você acredite em si mesmo!” E o engraçado é que eu aprendi isso agora. Então, é engraçado ou bobo ouvir isso seis meses depois. Então, sim, eu chorei muito desde o show, então acho que definitivamente me abriu. Eu não sou tão durão quanto era antes do show.

I: Quando se trata de masculinidade e feminilidade, como você considera a si mesma? Você acha que é mais um ou outro?

K: Sim, então, se eu pudesse apontar o gatilho de um jeito ou de outro, eu provavelmente colocaria mais para o feminino. Eu sou muito feminina na minha voz, do jeito que eu me porto. Eu gosto de brincar com a masculinidade e é assim que eu olho nas fotos, porque eu soo assim e ajo assim o tempo todo. Não há nada de masculino nisso. Eu gosto de brincar com isso o tempo todo.

Entrevista traduzida daqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here