Mayhem Miller acusa motorista do Uber de recusar viagem por ela estar em drag

Modo Noturno

Quando um artista chega à Minneapolis (EUA), o diretor da boate Flip Phone, Chad Kampe, envia um Uber para buscá-lo e levá-lo à casa de shows. Isso é exatamente o que ele fez no sábado (21 de julho) para a Mayhem Miller, drag queen que competiu na décima temporada do RuPaul’s Drag Race.

Mayhem Miller é a que se descreve como “rainha da festa”, uma visão neon em vestidos de cores vivas e impressionante maquiagem escura para os olhos. Ele conseguiu seu nome artístico ao assistir a sextape de Tommy Lee e Pamela Anderson; Tommy tinha “Mayhem” tatuado em sua virilha.

Mayhem estava hospedado no AC Hotel em Minneapolis e precisava ir ao UNION Restaurant para o muito aguardado Love on Top da Beyonce Party, onde a queen seria a atração principal. Naquela noite, ele estava usando um mini vestido roxo e um grande cabelo de Diana Ross. Era sua primeira vez na cidade e ela estava pronta para fazer o show.

Mayhem recebeu uma mensagem de Kampe (diretor da casa da boate) dizendo que seu transporte estava no andar de baixo, pegou sua bagagem e se dirigiu para a porta. Quando a queen encontrou o Uber estacionado do lado de fora, ela diz, o motorista lançou-lhe um olhar perplexo. Mas Miller fez sua parte, apontando para o motorista abrir o porta-malas para que ela pudesse guardar suas coisas. Mayhem já tinha contratado serviços de transporte assim, em que o motorista claramente não queria que ela estivesse lá – passeios longos, gelados e desconfortáveis. Mas era uma noite de show, e ela tinha lugares para ir.

>  Yvie Oddly compartilha emocionante depoimento sobre sua passagem em Drag Race

A queen declara que uma vez que ela se sentou, o motorista se virou e deu a ela uma olhada, ainda parecendo perplexo, e perguntou onde Miller estava indo. “UNION”, respondeu Miller. Então a drag diz que o motorista balançou a cabeça e disse que achava que não era o carro de Miller. O contrato foi feito para alguém chamado Miller.

“Meu nome é Mayhem, mas não sou a pessoa que encomendou o carro”, disse a queen. A queen explicou que o promotor tinha chamado alguém para ela – que não tinha certeza de quem. Mas Mayhem tinha a imagem que Kampe lhe enviou como prova.

O motorista apenas balançou a cabeça. Ele disse a Miller que ela tinha que sair do carro.

>  S10 | Billboard entrevista: Mayhem Miller

Miller tentou contornar a situação. Ela diz que pediu ao motorista para ligar para a pessoa que pediu o Uber e confirmar que Miller era sua passageira. O motorista queria que Miller ligasse para ele. Ela não podia, ela protestou – a drag não sabia quem tinha feito a ligação em primeiro lugar.

Não foi o suficiente. Miller acabou cedendo, saiu do carro e pediu outro Uber.

Kampe nunca teve um artista que recusasse um transporte, e Mayhem nunca foi expulsa de um carro. “Eu nunca senti mais ‘sem valor’ do que naquele momento”, declarou a rainha.

Na segunda-feira, Mayhem foi ao Twitter. Para sua surpresa, a internet explodiu furiosa em sua defesa.

Mayhem: Eu esqueci de comentar com todos vocês que um motorista do Uber se recusou a me transportar, porque eu estava em drag…

Além de todo o apoio, o tópico foi recheado de comentários de outros artistas drags que dizem que a mesma coisa já aconteceu com eles – motoristas do Uber e Lyft dando uma olhada neles, ou ouvindo suas vozes pela primeira vez, e dando o fora.

>  Valentina se identifica como não-binária

Pandora: Nojo! Esse motorista não deveria estar dirigindo para o Uber, mas pelo menos você não teve que pagar um babaca intolerante.

“É chocante que isso aconteça regularmente coma as pessoas”, diz Miller.

Um porta-voz da Uber disse que está investigando o incidente e que a empresa tem uma política de não tolerância para qualquer tipo de “linguagem ou comportamento discriminatório”.

O porta-voz também destacou que os motoristas muitas vezes tentam garantir que estão pegando a pessoa que originalmente encomendou o serviço e que talvez isso tenha sido um mal-entendido. Talvez o motorista tivesse ficado confuso de que era Miller, não Kampe.

Miller não engoliu a desculpa.

“Eu já chamei carros para outras pessoas e não estive presente antes. Já fiz isso muitas vezes, e isso nunca foi um problema”. Isso não era sobre ela não ser Kampe, diz Mayhem. Isso era sobre o motorista estar desconfortável com quem a queen era.

Kampe recebeu uma mensagem do Uber na segunda-feira citando alguns “comentários sobre o feedback” e prometendo contatá-lo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here