Como The Vixen expôs o racismo de RuPaul’s Drag Race

Modo Noturno

A drag queen mais famosa do mundo não costuma sofrer desafios de sua corte. Mas o episódio da Reunião da última quinta-feira de Drag Race contou com uma interação rara: uma rainha se impondo para RuPaul logo após que uma rainha negra que entrou em conflito com suas colegas de elenco branco, The Vixen, saiu do show. Quando a Asia desafiou Ru por permitir que isso acontecesse, e quando Ru perdeu a calma, esse momento revelou o grau em que o programa até agora se recusou a lidar diretamente com a dinâmica racial tanto entre as rainhas quanto no fandom da série, e como urgentemente precisa fazer isso.

Depois de uma recapitulação dos conflitos de The Vixen no programa, incluindo as discussões acirradas com Aquaria e Eureka, RuPaul pressionou The Vixen, perguntando por que ela teve que reagir da maneira como fez com as provocações de Eureka. “Todo mundo está me dizendo como eu deveria reagir, mas ninguém está dizendo a ela como agir”, disse The Vixen antes de sua saída. Em resposta, Asia O’Hara expressou seu desconforto com a situação, dizendo que, como drag queens e seres humanos, deveriam ter seguido The Vixen e impedido que ela saísse. Seguiu-se um vaivém entre Asia e Ru, no qual a Ásia chorou e Ru comportou-se estranhamente diferente de seu usual. Ele disse a Asia: “Olhe para mim, droga, eu venho do mesmo lugar que ela”.

Não há, talvez, uma melhor ilustração das filosofias de duelo entre o modo de pensar da velha guarda de Ru e a nova guarda que muitas das queens, que desafiam as questões de gênero, em seu programa abraçam. A ética norte-americana de Ru, “se vire com o que tem”, combinada com sua passividade budista aos assuntos da terra, o impediu de se envolver totalmente com o argumento de The Vixen, que incluia uma análise vital de raça. É um elemento baseado em identidade que Ru provavelmente identificou como “ego”, como ele costuma fazer.

>  S2 | Elenco

A Asia, por outro lado, disse que, embora nem sempre concorde com o que The Vixen diz, ela é uma pessoa que clama por ajuda. Embora haja lógica por trás da abordagem da RuPaul e da Asia, Ru é quem dirige o programa, e sua relutância em conhecer a Vixen e a Asia na metade do caminho não é um sinal promissor para aqueles que esperam por mudanças em Drag Race quando se trata de como a série lida com a corrida.

Mas se tem uma coisa que a 10ª temporada nos mostrou, é que raça é, de fato, um problema antigo para o show lidar. À medida que base de fãs se expande e leva Drag Race ainda mais longe de suas raízes, a estrada se torna ainda mais difícil para as rainhas negras e outras queens de cor. A própria Asia é um exemplo. Na terça-feira, a rainha de grande coração foi ao Twitter para contar uma história de quando ela tinha 11 anos, quando seus vizinhos tentaram incendiá-la por ser extravagante. Ela então disse que alguém tinha ameaçado incendiá-la novamente, só que era alguém nas redes sociais, e era porque ela é negra. A experiência, ela disse, retraumatizou-a. (Leia o relato completo aqui)

Infelizmente, esse tipo de comportamento não é novidade no fandom de Drag Race, onde as rainhas negras freqüentemente recebem o impacto da reação adversa, especialmente se mandarem uma rainha branca para casa. Kennedy Davenport na 7 ª temporada é um exemplo memorável. Depois de mandar para casa a favorita dos fãs, Katya, em um lipsync, ela foi submetida a abusos racistas. A 10ª temporada trouxe a questão da raça para o primeiro plano de uma maneira sem precedentes, graças à presença de The Vixen que a atacou o problema de frente. O problema está em aberto. Mas Drag Race tem uma solução?

>  Barraco Drag: Willam Vs. Charlie

Se isso acontecer, então pode ser apenas que escalem mais rainhas negras dispostas a falar no ar, como The Vixen fez. Embora ela tenha resistido à reação dos telespectadores, ela também recebeu apoio, incluindo de outras rainhas com grandes sucessos, como Courtney Act, rainhas que podem aproveitar o privilégio de amplificar a mensagem. Em uma entrevista por telefone com them., The Vixen disse que ser apoiada por outras drags proeminentes por ser vocal desempenhou um papel na mudança de percepção de alguns fãs de como a raça é tratada no show.

“O que mais me surpreendeu é que tive tanto apoio de ex-participantes de Drag Race. Eu acho que isso falou muito sobre as experiências deles, e eles foram os primeiros a sair e me defender e concordar comigo, porque isso fez com que os fãs prestassem mais atenção”, diz ela. “Tópicos raciais sempre deixam as pessoas desconfortáveis, mesmo que alguém acredite que seja uma boa pessoa, às vezes, elas realmente enfrentam problemas que são mais propensas a retroceder”.

Mas falar tem um preço, e The Vixen observa que houve uma cultura de silêncio em torno da questão, porque abordar o tópico pode ter um impacto econômico negativo sobre as rainhas que o fazem. “Existe a ideia de que, se você trouxer essas coisas, é menos provável que você seja contratada, as pessoas não vão querer trabalhar com você, porque você mencionou o grande mal”, diz ela. “Isso definitivamente manteve muitas meninas em silêncio por tantos anos”.

>  Segredos dos primeiros 10 anos de Drag Race, pt1

Quanto a The Vixen, ela se mantém ocupada desde Drag Race, levando sua atração drag, Black Girl Magic, na estrada. Ela observa que está orgulhosa do que fez nessa temporada, e apenas deseja que o programa tenha promovido a mudança que ela estava tentando criar. “Mas esse é o trabalho que precisa ser feito”, diz ela. Se as pessoas concordam com tudo o que ela disse ou não, com base na maneira como ela e a Asia foram tratadas pelos fãs, fica claro que ela está certa nessa frente.

Mas os competidores negros do programa só podem fazer isso sozinhos até certo ponto. A bola está agora de volta à corte de Ru, e depois de controvérsias meses atrás de comentários sobre a exclusão de mulheres transexuais do programa, apesar do grande sucesso que é a Peppermint, cabe a ele adaptar-se. Estamos nos preparando para uma final agora, onde, provavelmente, outra rainha branca será coroada, e isso logo após uma interação desconfortável com The Vixen e Asia.

Ninguém duvida das realizações de RuPaul em trazer drag para o mainstream. O que está em questão é se ele está preparado para fazer os ajustes necessários para dar às rainhas negras em seu programa o apoio necessário para ajudar a reformular um fandom que está se tornando cada vez mais tóxico. No final da Reunião, RuPaul disse para as rainhas sentadas diante dele, incluindo Asia: “Vocês são meus professores”. Espero que ele esteja falando sério.

Artigo escrito por John Paul Brammer para a a them. e postado originalmente aqui.

1 COMENTÁRIO

  1. tô assistindo a season 10 agora e tô urrando com a The Vixen jogando a merda no ventilador. Sempre vi ela sendo citada de forma negativa pelas outras Queens e programas sobre drag Race e pensava se de alguma forma ela perdia a mão tipo a Azelia Banks, mas claramente o problema é que ela bota o dedo na cara das Queens brancas e aponta as questões raciais que acontecem no programa. Isso sempre me incomodou e diversas vezes quase me fez parar de assistir drag Race, porque me faz muito mal perceber que as pessoas não conseguem enxergar o background que as drags negras tem, o quanto a saúde mental delas foi deteriorada com tudo que acontece com uma pessoa negra, LGBT e que faz drag. Na season 9 a Nina Bonina claramente sofria com questões de saúde mental e por isso ela era uma pessoa “paranóica” e “negativa”, como as Queens amavam falar, sem nenhuma sensibilidade com o fato de que claramente tudo isso vinha de um problema e traumas muito maiores e não por escolha dela, que não é fácil tu simplesmente desligar isso. Enquanto Queens como a The Vixen são canceladas por trazer as questões raciais sem deixar elas docinhas pras pessoas brancas, a Bianca Del Rio continua sendo amada e admirada fazendo piada com estupro. Pra mim a The Vixen é um sopro de sensatez.

DEIXE UMA RESPOSTA

Conecte com




Please enter your comment!
Please enter your name here